30112020Seg
AtualizadoSeg, 30 Nov 2020 1am

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Drops de genômica

A genômica de precisão como ferramenta para a identificação molecular prognóstica da COVID-19

Murad 2019 bxO oncologista André Murad (foto), diretor científico do Grupo Brasileiro de Oncologia de Precisão (GBOP), discute a genômica de precisão como ferramenta para a identificação molecular prognóstica da COVID-19. “Um grupo de pesquisadores criou uma plataforma virtual, a COVID-19 Host Genetics Initiative, que vai contar com dados do COVID-19 de diversos biobancos, principalmente da Europa e Estados Unidos’, destaca. Confira, em mais um tópico da coluna ‘Drops de Genômica’.

Por André Murad, diretor executivo da Personal Oncologia de Precisão e Personalizada e diretor científico do Grupo Brasileiro de Oncologia de Precisão (GBOP)

A COVID-19, causada pelo novo coronavírus pandêmico, é estranhamente - e tragicamente - seletiva. Apenas algumas pessoas infectadas ficam doentes e, embora a maioria dos pacientes críticos seja idosa ou tenha problemas complicadores, como doenças cardíacas, alguns mortos pela doença são previamente saudáveis ​​e até relativamente jovens. Os pesquisadores agora estão se preparando para vasculhar o genoma dos pacientes em busca de variações de DNA que explicam esse mistério. As descobertas podem ser usadas para identificar aqueles com maior risco de doenças graves e aqueles que podem estar protegidos, além de orientar a busca por novos tratamentos.

Os projetos vão desde estudos em andamento com DNA para muitos milhares de participantes, alguns agora infectados com o coronavírus, até novos esforços que estão coletando DNA de pacientes com COVID-19 em locais mais afetados, como a Itália. O objetivo é comparar o DNA de pessoas que têm casos graves de COVID-19 (que significa doença de coronavírus 2019) - mas nenhuma doença subjacente como diabetes, doenças cardíacas ou pulmonares - com aquelas com doença leve ou sem doença.

É difícil prever o que sairá dessas caçadas de genes, dizem alguns pesquisadores. Mas existem suspeitos óbvios, como o gene que codifica a enzima conversora de angiotensina 2 da proteína da superfície celular (ACE2), que o coronavírus usa para entrar nas células das vias aéreas. Variações no gene ACE2 que alteram o receptor podem facilitar ou dificultar a entrada do vírus. Uma mutação relativamente comum em um gene codificador de outra proteína da superfície celular humana, o CCR5, que torna algumas pessoas altamente resistentes ao HIV, foi identificada recentemente.

Estas e outras descobertas levaram um grupo de pesquisadores a criar uma plataforma virtual para todos estes projetos, a COVID-19 Host Genetics Initiative, que conta também com grandes estudos de biobancos que seguem milhares de voluntários por anos para procurar ligações entre seu DNA e a saúde. Pelo menos uma dúzia de biobancos, principalmente na Europa e nos Estados Unidos, manifestaram interesse em contribuir com dados do COVID-19 de participantes que concordaram com isso. Entre eles estão o FinnGen, que possui amostras de DNA e dados de saúde para 5% da população finlandesa de 5 milhões de pessoas, e o biobanco de 50 mil participantes da Escola de Medicina Icahn, no Monte Sinai.

O Biobanco  do Reino Unido, um dos maiores do mundo com dados de DNA para 500 mil participantes, também planeja adicionar dados de saúde COVID-19 dos participantes ao seu conjunto de dados. E a empresa islandesa deCODE Genetics, que está ajudando a testar grande parte da população do país para ver quem está infectado com o novo coronavírus, recebeu permissão do governo para adicionar esses dados e quaisquer sintomas subsequentes de COVID-19 ao banco de dados, que contém genoma e dados de saúde sobre metade dos 364 mil habitantes da Islândia.

Outro esforço para identificar variantes de DNA de proteção ou suscetibilidade é o Projeto do Genoma Pessoal, liderado pela George Church da Universidade de Harvard, que recruta pessoas dispostas a compartilhar todo o genoma, amostras de tecidos e dados de saúde para pesquisa. No início deste mês, ele enviou questionários para seus milhares de participantes, perguntando sobre seu status no COVID-19. Mais de 600 nos Estados Unidos responderam em 48 horas.

Outros pesquisadores que trabalham com a iniciativa de Ganna estão recrutando pacientes com COVID-19 diretamente nos hospitais para esses estudos genômicos. A geneticista italiana Alessandra Renieri, da Universidade de Siena, espera que pelo menos 11 hospitais do país deem aprovação ética para sua equipe coletar amostras de DNA de pacientes dispostos.  

Além das variantes genéticas do receptor ACE2, os cientistas querem ver se as diferenças nos genes do antígeno leucocitário humano, que influenciam a resposta do sistema imunológico a vírus e bactérias, afetam a gravidade da doença. E alguns pesquisadores querem acompanhar uma descoberta que uma equipe chinesa relatou em uma pré-impressão: que pessoas com sangue tipo O podem estar protegidas contra o vírus. A disseminação catastrófica do coronavírus deve aumentar em breve o número de pacientes com COVID-19 disponíveis para essas caçadas de genes, e isso pode acelerar as descobertas. Ganna espera que os primeiros genes de suscetibilidade possam ser identificados dentro de alguns meses.

Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519