23092020Qua
AtualizadoTer, 22 Set 2020 12am

Conheça o Podcast Onconews no Spotfy

San Antonio 2015

SABCS 2015: CALGB/Alliance - Neoadjuvância em câncer de mama triplo-negativo

Sikov_William_2_NET_OK.jpgO estudo de fase II CALGB / Alliance 40603, apresentado no dia 8 de dezembro por William Sikov (foto), mostrou que alcançar resposta patológica completa (pCR) com tratamento neoadjuvante tem impacto nos resultados de sobrevida. Mais pacientes tratados com quimioterapia antes da cirurgia tiveram resposta patológica completa em relação aqueles que no momento da cirurgia tinham doença invasiva ou residual.

O estudo avaliou os benefícios da quimioterapia neoadjuvante em pacientes com câncer de mama triplo negativo. O braço controle incluiu quimioterapia-padrãp com paclitaxel (T) semanal seguido de adriamicina-ciclofosfamida (AC) em dose densa. Os braços de investigação consideraram a adição de carboplatina ou bevacizumabe ao regime padrão, de forma isolada ou em esquemas de combinação. 
 
Parcela significativa de pacientes com câncer de mama triplo-negativo é potencialmente apta a receber terapia neoadjuvante, especialmente pacientes com tumores da mama maiores do que 2 centímetros ou disseminação linfonodal.  
 
Resultados anteriormente publicados do CALGB / Alliance 40603 demonstraram que a adição de carboplatina à quimioterapia neoadjuvante padrão aumentou o número de respostas patológicas completas em pacientes com estadio 2 ou 3. "Agora, os dados mostram que os pacientes em qualquer braço do estudo que tiveram resposta patológica completa tiveram evolução muito superior. Depois de três anos de acompanhamento, apenas 9% dos pacientes com pCR desenvolveram recorrência à distância e apenas 6% morreram” disse Sikov.
 
O especialista lembrou que o estudo não tem grande poder estatístico para determinar se a adição de carboplatina ou bevacizumabe à quimioterapia neoadjuvante padrão tem impacto na melhoria da sobrevida. “O que podemos afirmar com base nesses resultados é que alcançar resposta patológica completa com quimioterapia neoadjuvante melhora a sobrevida", concluiu.

Métodos

O ensaio clínico CALGB / Alliance 40.603 inscreveu 443 pacientes com câncer de mama triplo negativo estadio 2 ou 3. Os pacientes foram randomizados para receber quimioterapia neoadjuvante padrão ou quimioterapia neoadjuvante padrão mais carboplatina ou quimioterapia neoadjuvante mais bevacizumabe ou ainda para um quarto braço, de quimioterapia neoadjuvante padrão associada à carboplatina e bevacizumabe. Como padrão, paclitaxel (T) semanal seguido de adriamicina-ciclofosfamida (AC) em dose densa.

O acompanhamento médio foi de 39 meses, período em que 110 eventos e 77 mortes foram relatados. Aos três anos, a sobrevida livre de progressão foi de 74,1% e a sobrevida global de 83,2%. Em pacientes que alcançaram resposta patológica completa, a SLP em 3 anos foi de 84,8% vs. 61,8% (<0,0001).(Abstract S2-05)
 
Referência: Event-free and overall survival following neoadjuvant weekly paclitaxel and dose-dense AC +/- carboplatin and/or bevacizumab in triple-negative breast cancer: Outcomes from CALGB 40603 (Alliance)
 
Leia mais: SABCS 2015: GeparSixto: Carboplatina neoadjuvante no câncer de mama triplo negativo
 

 
 

Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
300x250 ad onconews200519