28112020Sáb
AtualizadoSex, 27 Nov 2020 1pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Pleurectomia estendida tem indicação em idosos

Cirurgia_NET_OK.jpgIdosos com mesotelioma devem ser submetidos a uma rigorosa avaliação pré-operatória antes da pleurectomia/ decorticação (PED) e a cirurgia deve ser considerada nos pacientes idosos. É o que conclui o estudo de Annabel Sharkey e colegas do Departamento de Cirurgia Torácica do Glenfield Hospital, apresentado na Conferência Europeia de Câncer de Pulmão (ELCC 2016).

O estudo indicou que a idade não foi fator prognóstico, mas mostrou que a presença de doença mais avançada teve impacto negativo maior sobre os resultados dos idosos, quando comparados com pacientes mais jovens. Pacientes idosos com envolvimento ganglionar e os que não receberam quimioterapia adjuvante apresentaram pior prognóstico em comparação a pacientes mais jovens.
 
Os pesquisadores consideraram pacientes acima de 70 anos e demonstraram que esse grupo não deve ser excluído da pleurectomia/decorticação. Ao contrário, a recomendação dos pesquisadores é realizar uma avaliação pré-operatória mais rigorosa nesses pacientes para determinar a presença e extensão da doença nodal, além de uma avaliação completa da aptidão para receber quimioterapia.
 
Sharkey e colegas revisaram dados de pacientes submetidos a PED no período de 1999 a 2015 para comparar dados de sobrevida e resultados clínicos do grupo com idade superior a 70 anos daqueles abaixo de 70 anos. A cirurgia PED foi realizada em todos os pacientes com a intenção de alcançar ressecção macroscópica completa.
 
De 282 pacientes avaliados, 79 tinham 70 anos ou mais no momento da cirurgia. O tempo de duração do procedimento e de permanência no hospital foi semelhante entre pacientes idosos (mediana de 14 dias) e mais jovens (12 dias); (p = 0,118).
 
Na análise multivariada, a idade não foi identificada como um fator prognóstico com peso significativo no resultado, que foi semelhante entre os dois grupos em relação a vários parâmetros. As taxas de mortalidade também foram semelhantes; não houve diferença significativa nas taxas de mortalidade intra-hospitalar (3,5% em pacientes mais jovens contra 6,5% dos pacientes idosos (p = 0,323), assim como nas taxas de mortalidade aos 90 dias (7,9%  em mais jovens versus 10,1% no grupo de idosos (p = 0,635).
 
As taxas de sobrevida global (SG) também foram semelhantes, com 13,0 meses, em comparação com 10,5 meses (mais jovens vs mais velhos, respectivamente (p = 0,683).
 
Na análise multivariada, duas variáveis ​​surgiram como fatores de pior prognóstico: a falta de terapia adjuvante, taxa de risco (HR) 2.088; 95% CI 1.372, 3.176 (p = 0,001) e a presença de anemia pré-operatória, HR 1.976; 95% IC 1,294, 3,017 (p = 0,002).
 
Em conclusão, as características da doença e a falta de quimioterapia adjuvante têm maior impactado no prognóstico que a idade. No entanto, uma proporção significativamente maior de pacientes idosos (16,8%) necessitou de cuidados intensivos após PED na comparação com o grupo mais jovem (5,4%); (p = 0,004) e quase o dobro dos pacientes mais velhos desenvolveu fibrilação atrial (24,7% vs 14%); (p = 0,051).
 
Referência: 207O. Extended pleurectomy decortication for malignant pleural mesothelioma in the elderly - the need for an inclusive yet selective approach
 
Leia mais sobre a ELCC 2016: Necitumumab associado à quimioterapia em câncer de pulmão EGFR+
Biópsia líquida e seleção terapêutica em câncer de pulmão
Atualizações dos estudos CheckMate 063 e 017
ELCC 2016 e as novidades em oncologia torácica
Anti-EGFR de terceira geração na primeira linha de CPNPC

Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519