28112020Sáb
AtualizadoSex, 27 Nov 2020 1pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Atualizações dos estudos CheckMate 063 e 017

BALANCO_PULMAO_horiz_bx.jpgOs níveis de citocinas no soro de pacientes com câncer de pulmão não pequenas células (CPNPC) escamosas pré-tratados com platina alterou a eficácia da imunoterapia com nivolumabe.Os resultados foram apresentados na ELCC 2016 por Suresh Ramalingam, do Winship Cancer Institute, em Atlanta, e confirmam a eficácia da nivolumabe em pacientes com CPNPC com histologia de células escamosas avançado, demonstrando que esta eficácia é influenciada pelo nível de citocinas em pacientes antes do tratamento. O resultado sugere que os níveis de citocina no soro do baseline pode também servir como um marcador para a eficácia nivolumabe.

Os resultados atualizados do estudo de fase II de nivolumabe CheckMate063, e do estudo de fase III CheckMate 017, de nivolumabe versus docetaxel em pacientes com câncer de pulmão avançado não-pequenas células escamosas refratários à platina foram apresentados na Conferência Europeia de Câncer de Pulmão (ELCC).
 
No CheckMate 063 nivolumabe foi administrado na dose de 3 mg/kg a 117 pacientes até a progressão da doença (PD) ou toxicidade inaceitável. O CheckMate 017 randomizou 135 pacientes para receber nivolumabe na mesma dose e 137 pacientes para receber docetaxel a 75 mg/m2 até progressão da doença ou descontinuação devido à toxicidade ou outras razões.
 
Os endpoints primários foram a taxa de resposta global (TRG) por RECIST v1.1 no CheckMate 063 e sobrevida global (SG) no CheckMate 017. O tratamento após a progressão doença foi permitido por protocolo em ambos os estudos.
Uma análise exploratória avaliou o nível de citocinas em 222 pacientes tratados com nivolumab para estabelecer um score, a partir de uma linha de corte, definindo grupos de alto e baixo score. Essa pontuação foi considerada e correlacionada com os dados de sobrevida global.
 
A avaliação mostrou que 102 pacientes com um score elevado de citocinas apresentaram sobrevida global quase 3 vezes maior que as 120 pacientes que apresentaram baixos níveis de citocinas. A mediana de sobrevida global foi de 15,6 versus 5,3 meses, HR 0,48 (95% CI 0,36, 0,64) nos grupos de alta e baixa pontuação, respectivamente (p<0,0001).
 
Checkmate 063
 
No CheckMate 063, as taxas de sobrevida global em 12 e 18 meses foram 39% (95% CI  30% 48%) e 27% (95% CI 19% 35%), respectivamente, e a mediana de sobrevida global foi de 8,1 meses (95% CI 6,1, 10,9 meses). A taxa de resposta global foi de 15% (95% CI 9%, 22%).
 
No geral, 75% dos pacientes experimentaram um evento adverso de qualquer grau relacionado com o tratamento, sendo que 17% dos pacientes tiveram eventos adversos de graus 3/4. 12% dos pacientes interromperam o nivolumabe devido a eventos adversos e ocorreram duas mortes relacionadas ao tratamento.
 
Checkmate 017
 
No CheckMate 017, as taxas de sobrevida global em 12 meses de nivolumabe em comparação com docetaxel foram de 42% (95% CI 33,8%, 50,4%) versus 24% (95% CI 17,4%, 31,7%). As taxas de SG em 18 meses foram 28 % (95% CI 20,8%, 35,8%) versus 13% (95% CI 7,6%, 18,6%), respectivamente.
 
A mediana de sobrevida global foi de 9,2 meses com nivolumabe (95% CI 7,33, 12,62 meses) versus 6 meses com docetaxel (95% CI 5,29, 7,39 meses). A taxa de resposta global com nivolumabe foi de 20% (95% CI 14%, 28%) em comparação com 9% com docetaxel (95% CI 5%, 15%).
 
Dos 131 pacientes tratados com nivolumabe e 129 pacientes com docetaxel, 59% versus 87%, respectivamente, experimentaram um evento adverso relacionado com o tratamento, de qualquer grau, e 8% versus 56% dos doentes nos respectivos grupos apresentaram eventos adversos de graus 3/4. A interrupção do estudo devido a um evento adverso relacionado com o tratamento foi relatada por 5% dos pacientes de nivolumabe versus 10% dos pacientes com docetaxel. Nenhuma morte relacionada com o tratamento ocorreu com o nivolumabe, enquanto dois óbitos relacionados ao tratamento aconteceram em pacientes tratados com docetaxel.
 
Os estudos CheckMate 063 e CheckMate 017 foram financiados pela Bristol-Myers Squibb.
 
Referência:137O Nivolumab in patients (pts) withadvancedrefractorysquamous (SQ) non-smallcelllungcancer (NSCLC): 2-year follow-up fromCheckMate 063 andexploratorycytokineprofilinganalyses
 
Leia mais sobre a ELCC 2016: Necitumumab associado à quimioterapia em câncer de pulmão EGFR+
Biópsia líquida e seleção terapêutica em câncer de pulmão
Pleurectomia estendida tem indicação em idosos
ELCC 2016 e as novidades em oncologia torácica
Anti-EGFR de terceira geração na primeira linha de CPNPC

Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519