24112020Ter
AtualizadoSeg, 23 Nov 2020 9pm

Conheça o Podcast Onconews no Spotfy

ASCO GU 2019

Quimiorradioterapia sequencial no câncer de bexiga pós cistectomia radical

BexigaEstudo randomizado de fase III buscou comparar a eficácia da radioterapia pós-operatória (PORT) versus a quimioterapia sequencial + PORT no câncer de bexiga localmente avançado após cistectomia radical. Os resultados foram apresentados no ASCO GU 2019 pelo radio-oncologista Mohamed S. Zaghloul, professor na Universidade do Cairo.

 

O estudo egípcio avaliou o benefício da quimioterapia adjuvante em pacientes com câncer de bexiga localmente avançado (LABC) tratados com radioterapia pós-operatória (PORT). No ASCO GU foram relatados os dados da análise post-hoc de pacientes com histologia urotelial. A hipótese levantada pelos pesquisadores é de que a adição de quimioterapia adjuvante melhoraria a sobrevida livre de doença (SLD) em comparação com a radioterapia isolada no LABC.

Métodos e resultados

Os pesquisadores compararam PORT vs quimioterapia sequencial + PORT após a cistectomia radical em pacientes com câncer de bexiga localmente avançado (LABC) tratados entre 2002 e 2008 no National Cancer Institute do Cairo, Egito. Foram elegíveis pacientes com câncer de bexiga ≤ 70 anos com pelo menos um dos seguintes fatores (≥ pT3b, grau 3, linfonodos positivos) com margens negativas após cistectomia radical e dissecção de nódulos pélvicos.

A radioterapia foi entregue usando radioterapia conformada 3-D para a pélvis a 45Gy em 1.5 Gy BID. Quimioterapia + radioterapia pós-operatória incluiu 2 ciclos de gencitabina/cisplatina antes e depois da RT. O endpoint primário foi sobrevida livre de doença (SLD). Os endpoints secundários incluíram sobrevida global (SG) e toxicidade gastrointestinal tardia.

Foram inscritos 153 pacientes, com mediana de idade de 55 anos; 53% com carcinoma urotelial (41 quimio + PORT / 40 PORT isolada). Na coorte urotelial, os braços estavam bem equilibrados. O seguimento mediano foi de 21 meses para quimioterapia + PORT (intervalo 4-127) e de 15 meses para PORT isoladamente(intervalo 5-70).

Houve 2 falhas locais para radioterapia pós-operatória e nenhuma falha para quimio + PORT. A sobrevida livre de doença em dois anos para quimioterapia + PORT vs PORT foi de 62% (95% CI, 53-71%) e 48% (95% CI, 39-58%), respectivamente (log-rank p = 0,031). A sobrevida global em dois anos foi de 71% para quimio + PORT (95% CI 63 - 80%) e de 51% para PORT isolada (95% CI 40 - 61%), log-rank p = 0,048.

Na análise multivariada, a quimioterapia + PORT foi um preditor significativo de melhora da sobrevida livre de doença (HR 0,42 95% CI 0,21-0,85, p = 0,016) e sobrevida global (HR 0,45, 95% CI 0,21-0,96, p = 0,039). Em toda a coorte, foi observada toxicidade gastrointestinal grau ≥ 3 em 5 pacientes no braço de quimioterapia + PORT (7%) e em 6 pacientes com PORT isolado (8%).

Os autores concluíram que a adição de quimioterapia adjuvante ao PORT melhora a sobrevida livre de doença e sobrevida global para o câncer de bexiga localmente avançado após a cistectomia radical, com toxicidade GI tardia aceitável. “Os resultados sugerem papel para terapias adjuvantes, tanto na doença local como distante”, observaram. No entanto, a recomendação é de cautela em relação aos achados do estudo egípcio, dificilmente aplicáveis a outros contextos epidemiológicos.

Referência:  Abstract 351: Randomized phase III trial of adjuvant sequential chemotherapy plus radiotherapy versus adjuvant radiotherapy alone for locally advanced bladder cancer after radical cystectomy: Urothelial carcinoma subgroup analysis. - Mohamed S. Zaghloul, MD, et al

Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519