28102020Qua
AtualizadoTer, 27 Out 2020 2pm

Conheça o Podcast Onconews no Spotfy

Radioterapia após mastectomia

Radio_Mama_News6_NET_OK.jpgEstudo de metanálise publicado no Lancet (vol, 383, nº 9935) mostra os benefícios da radioterapia após a mastectomia e a linfadenectomia axilar. A metanálise considerou 8.135 mulheres com câncer de mama em 22 ensaios clínicos randomizados e concluiu que a radioterapia reduziu tanto a recorrência da doença como as taxas de mortalidade em todos os subgrupos analisados, mesmo nas mulheres com um a três linfonodos positivos tratadas com a terapia sistêmica.


Anvisa aprova Vectibix® em colorretal avançado

Colorretal_NET_OK.jpgA Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) aprovou no dia 10 de junho o uso de panitumumabe (Vectibix®) em câncer colorretal metastático, em pacientes com K-RAS selvagem. A indicação é para o tratamento de primeira linha em combinação com FOLFOX; e para a segunda linha em pacientes tratados com FOLFIRI e quimioterapia.

Tratamento multidisciplinar ainda é um desafio

Pr__stata_Nova_NET_OK.jpgA abordagem multidisciplinar no câncer de próstata não é uma realidade na prática clínica. É o que aponta pesquisa realizada pelo Instituto Zero. O estudo revela que apenas 41% dos homens com câncer de próstata nos Estados Unidos foram encaminhados a um oncologista em algum momento do seu tratamento.

Nature destaca pesquisa sul-americana

A América do Sul assistiu a um aumento importante na sua produção científica nas últimas duas décadas. A análise é da revista Nature e mostra que o investimento em pesquisa tem aumentado na maioria dos países. No entanto, dada a participação da região em termos de população e PIB mundial, o resultado ainda é aquém do esperado.

Pesquisa_1_NET_OK.jpgO Brasil responde por 2/3 das pesquisas e lidera a produção científica na região, com 46.306 citações na base de dados do portal Scopus em 2013. Nos últimos 20 anos a produção científica brasileira quintuplicou, mas a qualidade da investigação preocupa.

Modafinil não tem evidência na gestão da fadiga

CancroPulmao.jpgO Journal of Clinical Oncology (JCO) publicou online artigo que discute o uso de modafinil para a gestão da fadiga em pacientes com câncer de pulmão não-pequenas células (CPNPC). O artigo é de Anna Spathis, consultora em medicina paliativa do Addenbrookes Hospital, em Cambridge, Reino Unido (JCO, vol. 32, no.18). A conclusão foi que o modafinil não teve efeito sobre a fadiga relacionada ao câncer e não deve ser prescrito fora do contexto de um estudo clínico. Seu uso foi associado com um efeito placebo clinicamente significativo.

TH3RESA mostra benefícios do trastuzumab emtansine

Mamografia_1.jpgO Lancet de junho (vol.15, nº 7) destacou os resultados do ensaio TH3RESA, de fase III, coordenado por Ian E Krop. O TH3RESA é um estudo aberto, randomizado, que investigou o uso de trastuzumab emtansine versus o tratamento de escolha em pacientes com câncer de mama HER 2 avançado. A investigação envolveu centros médicos em 22 países da Europa, América do Norte, América do Sul e Ásia-Pacífico.

19ª EHA: Novo agente mostra atividade em LLC de alto risco

leucemia1.jpgA leucemia linfocítica crônica (LLC) é o tipo de leucemia mais comum em adultos no mundo ocidental. Resultados promissores de estudo de fase I que investiga o agente ABT-199 em pacientes com LLC foram apresentados em Milão, durante a 19ª EHA, conferência promovida pela European Hematology Association (EHA).

BIG1-01 publica novos dados sobre a segurança do trastuzumabe

TRASTUZUMAB.jpgUma em cada 10 mulheres que tomam o medicamento trastuzumabe como parte do tratamento para o câncer de mama vai experimentar algum tipo de problema cardíaco, mas a boa notícia é que a maior parte dos efeitos desaparece com o final do tratamento com a terapia anti-HER2. Essa é a principal conclusão do estudo liderado por Evandro de Azambuja, do Institut Jules Bordet, na Bélgica, que corrobora a baixa incidência de eventos ligados ao uso do trastuzumabe. "A mensagem geral aqui é de uma enorme tranquilidade", disse o pesquisador em relação às conclusões do estudo BIG 1-01, publicadas no dia 09 de junho na edição online do Journal of Clinical Oncology.

ABHH destaca novo paradigma da onco-hematologia

Chiattone1_baixa.jpgDepois da ASCO, grandes nomes da onco-hematologia brasileira participaram do 19º Congresso da European Hematology Association (EHA), encontro que é palco dos principais avanços terapêuticos. É nesse contexto que a evolução vivida pela especialidade fica ainda mais evidente. “Estamos diante de um novo paradigma no tratamento do câncer e na onco-hematologia posso dizer que essa nova era é sentida de forma ainda mais intensa, com a maior compreensão dos mecanismos biológicos das diversas doenças“, diz Carlos Chiattone, da Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH).

SBM lança movimento #Mamografiaapartirdos40

Mamografia_Net_OK.jpgA Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) lançou o movimento #mamografiaapartirdos40 – Direito e dever de toda mulher. A ação faz parte da campanha ‘Eu amo meus peitos’, criada pela entidade para incentivar os cuidados com a saúde da mama e disseminar informações sobre a prevenção do câncer. A ideia é enfatizar a importância de realizar a mamografia a partir dos 40 anos, anualmente.

Lei dos 60 dias ainda não é realidade no SUS

Lei_NET_Ok_2.jpgA Lei dos 60 Dias (12.732/12), que garante ao paciente com câncer começar o tratamento no Sistema Único de Saúde (SUS) em, no máximo, 60 dias após o diagnóstico da doença, começou a vigorar em maio de 2013. Na prática, no entanto, a Lei ainda não está funcionando.

Ácido zoledrônico ganha versão pronta para uso

Met__stase___ssea_1_OK.jpgUma versão pronta para uso do ácido zoledrônico acaba de chegar ao Brasil. A nova apresentação não requer diluição, o que facilita o uso pelo profissional de saúde e traz benefícios também para o paciente.

”Do ponto de vista da farmacotécnica é bem mais prático”, explica Annemeri Livinalli,da Sociedade Brasileira de Farmacêuticos em Oncologia (SOBRAFO). 

JCO publica série sobre dor oncológica

Dor_1_OK.jpgO Journal of Clinical Oncology publicou na edição de 1º de junho (JCO Jun 1, 2014:1637-1639) um estudo de revisão que traz uma série de abordagens baseadas em evidências para a avaliação e gestão da dor no paciente oncológico. Conhecimentos recentes levaram a uma mudança de paradigma no tratamento da dor, permitindo aos médicos oferecer condutas personalizadas e adaptadas às necessidades individuais. 

Lei Antifumo é regulamentada

antifumo_OK.jpgCriado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), o Dia Mundial Sem Tabaco é comemorado dia 31 de maio. O Ministério da Saúde aproveitou a data para anunciar a regulamentação da Lei Antifumo, que proíbe o consumo de cigarros em locais fechados em todo o País, além de qualquer propaganda do produto. 

Mutirão antitabagismo

no_vector_sinal_proibido_fumar_NET_OK.jpgA Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT) promoverá amanhã, 28 de maio, um mutirão de atendimento gratuito à população, com testes e explicações sobre os prejuízos causados pelo cigarro. A ação acontece no Espaço Cultural Conjunto Nacional, das 8h às 16h, e conta com a colaboração de mais de 100 profissionais.

Cigarro eletrônico divide opinião de especialistas

CigarroVsecigarette.jpgAinda sem regulamentação pelas agências de saúde em todo mundo, inclusive no Brasil, o cigarro eletrônico vem sendo celebrado pelos fabricantes, que propagam seus “benefícios” de olho em um mercado multibilionário. Uma nova pesquisa, no entanto, sugere que alguns cigarros eletrônicos podem produzir níveis semelhantes de agentes cancerígenos encontrados nos cigarros convencionais. 

Subtipos moleculares têm papel preditivo em câncer de mama

Mama_News_1.jpgUm dos destaques da conferência de câncer de mama IMPAKT 2014, realizada em Bruxelas de 8 a 10 de maio, foi o estudo apresentado pelo grupo sueco liderado por Nicholas Tobin, do Instituto Karolinska, de Estocolmo, que investigou o papel prognóstico dos subtipos moleculares no câncer de mama, incluindo sua correlação com metástase ou recorrência da doença.

Qualidade de vida no estudo AURELIA

Pacientes com câncer de ovário resistentes à terapia com platina foram aleatoriamente agrupadas para receber quimioterapia isolada (CT), ou com a adição de bevacizumabe (BEV -CT) e a reportar sua avaliação. Este foi o objetivo secundário do estudo AURÉLIA, que apresentou seus resultados em artigo publicado no Journal of Clinical Oncology (vol. 32, nº 13). 

Bevacizumabe mostra papel em câncer de ovário

C__ncer_Ov__rio.jpgA quimioterapia com agente único é hoje o tratamento padrão no câncer de ovário resistente à platina. O estudo AURELIA, o primeiro ensaio clínico randomizado que combinou bevacizumabe à quimioterapia padrão em pacientes com doença refratária, publicou no JCO os resultados da investigação de fase III (vol. 32, nº 13).

Ramucirumab é aprovado pelo FDA para câncer de estômago

Est__mago_News_3_OK.jpgOs resultados do estudo clínico conduzido por investigadores do Dana- Farber Cancer Institute foram decisivos para embasar a decisão do Food and Drug Administration (FDA) de aprovar a primeira droga alvo molecular como tratamento de segunda linha no câncer de estômago avançado ou câncer de junção gastroesofágica. 


Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
300x250 ad onconews200519