26092020Sáb
AtualizadoSex, 25 Set 2020 4pm

Conheça o Podcast Onconews no Spotfy

InterAAct: estudo avalia quimioterapia ideal no câncer anal avançado

renata dalpino 2020 bxPublicado no Journal of Clinical Oncology, estudo internacional de Fase II, randomizado, multicêntrico, buscou identificar a quimioterapia ideal para tratamento do câncer anal localmente avançado ou metastático sem tratamento prévio. “A partir da publicação deste estudo, é indiscutível que carboplatina e paclitaxel se tornou o novo padrão no tratamento do câncer de canal anal metastático”, avalia Renata D’Alpino (foto), oncologista do Centro Paulista de Oncologia (CPO/ Grupo Oncoclínicas).

O câncer anal é uma doença rara que geralmente é tratada com quimiorradioterapia definitiva sem cirurgia. No entanto, cerca de 10% dos pacientes desenvolvem doença metastática distante.

No estudo, pacientes (n=91) que não receberam terapia sistêmica para câncer anal avançado foram aleatoriamente designados 1: 1 para cisplatina intravenosa 60 mg/m2 (dia 1) mais 1.000 mg/m2 FU (dias 1-4) a cada 21 dias (n=46) ou carboplatina (área sob a curva, 5; dia 1) mais paclitaxel 80 mg/m2 (dias 1, 8 e 15) a cada 28 dias durante 24 semanas (n=45), até progressão da doença, toxicidade intolerável ou retirada do consentimento. Os pacientes foram recrutados em 60 centros entre dezembro de 2013 e novembro de 2017. A maioria era do sexo feminino (63% a 71%), apresentava doença metastática (87% a 89%) e uma minoria era soropositiva (4% a 7%). O endpoint primário foi a taxa de resposta objetiva (ORR).

Resultados

Em um acompanhamento médio de 28,6 meses, a taxa de resposta objetiva foi semelhante com 5-FU / cisplatina (57%, 95% CI, 39,4% a 73,7%) e carboplatina / paclitaxel (59%, 95% CI, 42,1% para 74,4%). A mediana de sobrevida livre de progressão foi de 5,7 meses (95% CI, 3,3 a 9,0 meses) para cisplatina mais FU em comparação com 8,1 meses (95% CI, 6,6 a 8,8 meses) para carboplatina mais paclitaxel. A mediana de sobrevida global foi de 12,3 meses para cisplatina mais FU (95% CI, 9,2 a 17,7 meses) em comparação com 20 meses (95% CI, 12,7 meses a não ser atingido) para carboplatina mais paclitaxel (hazard ratio 2,00; 95% CI, 1,15 para 3,47; P = 0,014).

Eventos adversos mais graves foram observados no braço cisplatina mais FU (62%) em comparação com o braço carboplatina mais paclitaxel (36%; P = 0,016).

Os autores ressaltam que embora não tenha havido diferença na ORR, a associação com toxicidade clinicamente relevante reduzida e uma tendência para maior sobrevida sugerem que a carboplatina mais paclitaxel deve ser considerada como um novo padrão de tratamento.

“Além de melhor tolerado, houve ganho de sobrevida livre de progressão e sobrevida global. Para mim, não resta mais dúvidas de que esse seja o tratamento de escolha. A partir de agora, novos esquemas ou associações devem ser comparados com carboplatina e paclitaxel como braço controle em futuros estudos”, conclui Renata.

Referência: Rao S et al. International Rare Cancers Initiative multicenter randomized phase II trial of cisplatin and fluorouracil versus carboplatin and paclitaxel in advanced anal cancer: InterAAct. J Clin Oncol 2020 Jun 12; [e-pub]. - https://doi.org/10.1200/jco.19.03266

 

 

Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
300x250 ad onconews200519