19092021Dom
AtualizadoSáb, 18 Set 2021 9pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Gravidez após câncer de mama

azambuja ok bxO oncologista Evandro de Azambuja (foto) é coautor de revisão sistemática e meta-análise publicada no Journal of Clinical Oncology que fornece evidências atualizadas sobre os potenciais efeitos da gravidez após o câncer de mama em termos de resultados reprodutivos e segurança materna.

Os pesquisadores realizaram uma revisão sistemática da literatura para identificar estudos incluindo pacientes com gravidez após o câncer de mama (PROSPERO número CRD42020158324). Foram avaliados a probabilidade de gravidez após o câncer de mama, resultados reprodutivos e segurança materna. Riscos relativos agrupados, odds ratios (ORs) e hazard ratios (HRs) com intervalo de confiança de 95% foram calculados usando modelos de efeitos aleatórios.

Resultados

Dos 6.462 registros identificados, 39 foram incluídos, envolvendo 8.093.401 mulheres da população geral e 112.840 pacientes com câncer de mama. No total, 7.505 mulheres tiveram uma gravidez após o diagnóstico de câncer de mama. As sobreviventes de câncer de mama foram significativamente menos propensas a ter uma gravidez subsequente em comparação com a população em geral (risco relativo, 0,40; 95% CI, 0,32 a 0,49).

Riscos de cesariana (OR, 1,14; 95% CI, 1,04 a 1,25), baixo peso ao nascer (OR, 1,50; 95% CI, 1,31 a 1,73), parto prematuro (OR, 1,45; 95% CI, 1,11 a 1,88) e tamanho pequeno para a idade gestacional (OR, 1,16; 95% CI, 1,01 a 1,33) foram significativamente mais frequentes em sobreviventes de câncer de mama, particularmente naquelas com exposição anterior à quimioterapia, em comparação com a população geral.

Não foi observado nenhum risco significativamente aumentado de anomalias congênitas ou outras complicações reprodutivas. Em comparação com pacientes com câncer de mama sem gravidez subsequente, aquelas com gravidez tiveram melhor sobrevida livre de doença (HR, 0,66; 95% CI, 0,49 a 0,89) e sobrevida global (HR, 0,56; 95% CI, 0,45 a 0,68). Resultados semelhantes foram observados após a correção de possíveis fatores de confusão e independentemente do paciente, tumor e características do tratamento, resultado da gravidez e momento da gravidez. 

“Sobreviventes de câncer de mama tiveram 60% menos probabilidade de ter uma gravidez após o diagnóstico em comparação com a população geral. No entanto, não foram observados sinais alarmantes na maioria dos resultados reprodutivos analisados, incluindo nenhum risco significativamente aumentado de anomalias congênitas. A gravidez após o câncer de mama não foi associada a nenhum efeito prognóstico prejudicial”, destacam os autores.

“Esses dados apoiam a necessidade de considerar o desejo de gravidez das pacientes como um componente essencial de seu plano de cuidados de sobrevida e expectativa de retornar a uma vida normal”, concluem.

O estudo foi apresentado anteriormente na General Session do 2020 San Antonio Breast Cancer Virtual Symposium (SABCS) Annual Meeting.

Referência: Pregnancy After Breast Cancer: A Systematic Review and Meta-Analysis – Matteo Lambertini MD, PhD et al - DOI: 10.1200/JCO.21.00535 Journal of Clinical Oncology - Published online July 01, 2021.

 


Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519