26102021Ter
AtualizadoSeg, 25 Out 2021 12am

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Genes de suscetibilidade ao câncer de mama

Gabriela_ASCO_NET_OK.jpgGabriela Felix (foto), pesquisadora assistente do Laboratório de Imunologia e Biologia Molecular da Universidade Federal da Bahia e doutoranda do Instituto Gonçalo Moniz, da Fiocruz-BA (com orientação da geneticista Kiyoko Abe-Sandes), apresentou na ASCO 2017 ­­­­­­­os resultados do estudo realizado em parceria com a oncologista Funmi Olopade, da Universidade de Chicago, que avaliou a frequência das variantes de significado clínico dos genes de suscetibilidade ao câncer de mama em mulheres afrodescendentes brasileiras (Abstract  1572).


Mutações associadas à via de reparo do DNA

Instituto Oncoclínicas - Felipe Geyer, médico patologista do Memorial Sloan-Kettering Cancer Center e do laboratório IdenGene/Oncoclínicas, comenta três estudos apresentados na ASCO 2017, na sessão Cancer Prevention, Hereditary Genetics, and Epidemiology, que investigaram mutações hereditárias em genes que afetam o reparo do DNA em diversos tipos de tumores.

Nivolumabe neoadjuvante no câncer de pulmão

Instituto Oncoclínicas- Carlos Henrique Teixeira, oncologista clínico do Centro Paulista de Oncologia (CPO) e do Hospital Alemão Oswaldo Cruz (HAOC), discute estudo de prova de conceito apresentado na ASCO 2017 (Abstract 8508) que avaliou o uso do nivolumabe no tratamento neoadjuvante do câncer de pulmão não pequenas células ressecável em estadio inicial (estadio IA e IB até estadio IIIA).

Melanoma na ASCO 2017

Einstein Vídeos - O oncologista Antonio Carlos Buzaid, diretor-geral do Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes, da Beneficência Portuguesa de São Paulo, e membro do Comitê Gestor do Centro de Oncologia e Hematologia do Hospital Israelita Albert Einstein, fala em vídeo sobre os destaques da sessão oral de melanoma da ASCO 2017. Assista.

APHINITY: resultados decepcionam na ASCO 2017

Sergio_Azevedo_NET_OK_2.jpgO estudo APHINITY foi projetado para avaliar se a adição de pertuzumabe ao tratamento adjuvante com trastuzumabe e quimioterapia melhora os resultados de pacientes com câncer de mama HER2 positivo em estágio inicial. Os dados foram apresentados dia 5 de junho durante a ASCO 2017 (LBA500). “É um estudo que traz um grande dilema, entre seguir o que é estatisticamente significativo e o que é clinicamente relevante”, avaliou o oncologista brasileiro Sergio Azevedo (foto), do Hospital do Câncer Mãe de Deus.

Terapia CAR-T mostra dados iniciais de remissão no mieloma múltiplo

ASH_Sangue_NET_OK_2.jpgOs resultados de um ensaio clínico inicial (LBA3001) apresentados na ASCO 2017 mostraram que 33 de 35 pacientes (94%) pacientes de mieloma múltiplo apresentaram remissão clínica da doença após receberem imunoterapia com células CAR-T direcionadas à proteína de maturação de células B ou BCMA (LCAR-B38M CAR-T). A maioria dos pacientes teve apenas efeitos colaterais leves.

Linfadenectomia no câncer de próstata de risco intermediário e risco alto

Prostata 2017 NET OKO urologista Jean Felipe Prodocimo Lestingi, médico do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (HC-FMUSP-ICESP) é o primeiro autor do estudo que discutiu a extensão e os limites da linfadenectomia durante a prostatectomia radical no câncer de próstata de alto risco e risco intermediário. O estudo foi tema de poster discussion na ASCO 2017.

OlympiAD: inibidor de PARP no câncer de mama metastático BRCA-mutado

Instituto Oncoclínicas– Apresentado na Sessão Plenária da ASCO 2017, o estudo de fase III OlympiAD (LBA4) avaliou o uso do inibidor de PARP olaparib como monoterapia versus quimioterapia em pacientes com câncer de mama metastático HER2-negativo e mutação germinativa dos genes BRCA. O oncologista Sergio Simon, médico do Centro Paulista de Oncologia (CPO), comenta os resultados do trabalho. Assista.

Imunoterapia no câncer de pulmão: segurança e toxicidade

O brasileiro Fernando Costa Santini, atualmente no Memorial Sloan-Kettering Cancer Center (MKSCC), é o primeiro autor do estudo que avaliou a segurança do retratamento da imunoterapia em pacientes que tiveram toxicidade imunorrelacionada, precisaram interromper o tratamento e posteriormente foram retratados.

MAPS-2: resultados iniciais da imunoterapia no mesotelioma

Pulmao_NET_OK_2.jpgOs primeiros resultados do estudo francês de fase II MAPS-2 sugerem que a imunoterapia pode retardar o crescimento do mesotelioma pleural maligno (MPM) após a recorrência. Os resultados apresentados na ASCO 2017 (LBA8507) mostraram que em doze semanas o câncer não piorou em 44% dos pacientes que receberam nivolumabe (Opdivo) e em 50% daqueles que receberam a combinação de nivolumabe e ipilimumabe (Yervoy). Segundo os autores, o MAPS-2 é o maior ensaio clínico de inibidores de checkpoint imune no mesotelioma até o momento.


Publicidade
Outubro Rosa A.C.Camargo 2021
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519